Maduro fecha espaço aéreo para Argentina após suposto ‘roubo’ de avião

por Redação 4 Leitura mínima

Reprodução/redes sociais

Venezuela fecha espaço aéreo para voos da Argentina, a quem acusa de ‘roubar’ Boeing; entenda a crise

A realção entre Venezuela e Argentina acordou mais estremecida nesta terça-feira (13), após o governo venezuelano ter anunciado que fechou seu espaço aéreo para voos da Argentina. Em resposta, o governo argentino afirmou que vai ações diplomáticas contra Caracas.

O motivo da crise? Um Boeing 747 da Emtrasur, subsidiária de carga da empresa aérea estatal venezuelana Conviasa, que foi retido pelas autoridades argentinas em 2022 a pedido dos Estados Unidos.

Como tudo aconteceu

O avião venezuelano aterrissou em Córdoba em junho de 2022, quando levava o carregamento de peças automotivas do México. Ele não saiu de lá após as autoridades do aeroporto atenderem um pedido de confisco dos EUA.

O argumento do governo norte-americano era de que a aeronave havia sido comprada de uma linha aérea iraniana sancionada pelos Estados Unidos, a Mahan Air. Segundo os EUA, a empresa teria ligação com as Forças Quds, o braço de elite da Guarda Revolucionária do Irã.

Os 14 venezuelanos e cinco iranianos que estavam no avião também foram detidos temporariamente. Mesmo após a liberação da tripulação, o boeing continuou em solo argentino, aguardando deliberação da Justiça sobre o caso.

Foi só dois anos depois, em fevereiro de 2024, que uma decisão judicial concluiu que o voo da aeronave até Córdoba violou uma normativa norte-americana de controle de exportações. Por isso, ela foi entregue às autoridades dos Estados Unidos pelo governo de Javier Milei, o que estremeceu ainda mais a relação entre o presidente argentino e Maduro.

Resposta da Venezuela

No dia 29 de fevereiro, Maduro fez uma postagem no X (antigo Twitter) afirmando ter descoberto que a areonave foi totalmente desmantelada pelos americanos.

“Foi cometido um crime contra um avião da Conviasa Emtrasur que foi sequestrado, tiraram as cores da bandeira, apagaram o nome de Luisa Cáceres de Arismendi e depois o cortaram em pedaços. Esse é o ódio que têm pela Venezuela revolucionária e bolivariana… É ultrajante! É um crime contra um avião que pertencia a todo o povo venezuelano…”, disse.

Em retaliação, Caracas anunciou o fechamento de seu espaço aéreo para quaisquer vôos da Argentina, independentemente de sua categoria: de carga, turísticos, comerciais ou privados.

O ministro das Relações Exteriores de Maduro, Yván Gil, também usou o X para defender a soberania da Venezuela sobre seu espaço aéreo e chamou o governo argentino de “neonazista”, “submisso” aos Estados Unidos, além de acusar o país de “pirataria e roubo”.

“A Venezuela exerce plena soberania em seu espaço aéreo e reitera que nenhuma aeronave que provenha ou se dirija à Argentina poderá sobrevoar nosso território, até que nossa empresa seja devidamente compensada pelos danos causados”, declarou Gil.

Como o fechamento do espaço aéreo afeta Buenos Aires?

A decisão do governo venezuelano afeta uma das principais companhias aéreas do país, a estatal Aerolíneas Argentinas. Isso porque grande parte das rotas da empresa precisam cruzar o espaço aéreo venezuelano – por exemplo, em viagens para os Estados Unidos, principalmente Nova York e Miami, além da turística Punta Cana, na República Dominicana.

As autoridades argentinas prometeram retaliação à restrição aérea da Venezuela. O porta-voz de Milei, Manuel Adorni, afirmou que a resposta  argentino a Caracas será com “ações diplomáticas”. “A Argentina não se permitirá ser extorquida por amigos do terrorismo”, disse.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.
Compartilhe esse artigo
Deixe um comentário