Economia circular é regenerativa e restaurativa

por Redação 7 Leitura mínima

“O atual processo produtivo e o modo de vida da humanidade estão extraindo mais recursos do planeta do que ele é capaz de gerar. Se não transformarmos esse modelo, as consequências serão drásticas. Por isso, acreditamos que a economia circular é fundamental nesse sentido”, afirma Claudia.

Para falar mais sobre a empresa e o compromisso da JBS com a economia circular, Claudia deu uma entrevista para a reportagem.

Por que a JBS decidiu criar a Genu-in?
A JBS tem acesso a uma fonte rica e abundante de insumos para a produção de peptídeos de colágeno bioativos e gelatina dentro de sua própria cadeia de valor. Estamos utilizando um subproduto (pele bovina) de processamento em produtos de alto valor agregado como os peptídeos de colágeno – ingrediente bioativo dos suplementos que auxiliam na saúde dos ossos, músculos, cartilagens e pele, para um envelhecimento saudável. Assim como a produção de gelatina para o preparo de sobremesas, sorvetes, confeitos, cápsulas de remédio e comprimidos.

A entrada da JBS no mercado de saúde reforça o posicionamento da empresa voltado para a economia circular?
Sem dúvida. Há mais de uma década, nós começamos essa caminhada, tendo a economia circular entre as nossas prioridades, sendo algo intrínseco ao nosso negócio. Para nós, gera novos negócios e soluções disruptivas que contribuem para a continuidade das atividades. Existem várias oportunidades para acelerar e dimensionar a economia circular em todas as nossas operações. Nosso objetivo sempre foi dar o destino adequado e sustentável aos produtos, gerando valor agregado aos resíduos do processamento da proteína animal. Nós operamos de maneira sustentável em toda a nossa cadeia de valor, da origem ao varejo.

Qual foi o investimento feito pela JBS para viabilizar a Genu-in?
A JBS investiu na ordem de R$ 400 milhões para estruturar a operação da nova empresa e construir sua fábrica 4.0 na cidade de Presidente Epitácio, interior de São Paulo, próximo à divisa com Mato Grosso do Sul, região estratégica para a Genu-in por conta do fácil acesso às fontes de matéria-prima.

Quais mercados a Genu-in irá atender, em um primeiro momento? E sua capacidade de produção?
O mercado antes previsto para as Américas está sendo expandido para outras regiões devido ao alto interesse ao propósito de valor que a Genu-in entrega – o fato de estarmos inseridos na cadeia e, portanto, o controle da matéria-prima desde a origem, entregamos rastreabilidade desde a fazenda, consistência, qualidade e garantia de fornecimento –ampliamos nossa atuação nos demais mercados. A fábrica terá a capacidade de produzir 6 mil toneladas por ano de peptídeos de colágeno e 6 mil toneladas por ano de gelatina, atendendo clientes de diversos países.

A JBS já tinha alguma iniciativa voltada para a área de saúde antes da Genu-in?
Sim, trata-se da Orygina, uma unidade de negócio que produz insumos para a indústria farmacêutica com foco no desenvolvimento de matéria-prima para centros de pesquisas, terapias genéticas e vacinas, tendo a JBS como fonte de suprimentos para esses produtos

Quais são outras ações, em outros mercados, que a JBS investe com foco em economia circular?
Há outras 7 operações que transformam coprodutos em produtos de alto valor agregado, promovendo a economia circular. São elas: Novaprom, que produz soluções a partir do colágeno bovino para melhorar a textura e suculência de produtos; a JBS Higiene e Limpeza, que produz 1 bilhão de sabonetes por ano feitos com subproduto da cadeia animal; a JBS Biodiesel, que é a maior produtora nacional de combustível limpo produzido a partir de resíduos orgânicos do processamento da cadeia bovina e de óleo de cozinha usado; a JBS Ambiental, responsável por dar destinação correta a todos os resíduos sólidos e das operações industriais das plantas da JBS, fazendo a reciclagem para desenvolver novos produtos. Um exemplo de inovação é o piso verde, feito a partir de sobras de embalagens multicamadas, que se transforma em piso com características de concreto. Há ainda operação na JBS Couros, que em 2019 lançou o Kind Leather. O couro sustentável, tem processo que remove logo no inicio as partes do couro que seriam pouco aproveitadas e redireciona para outras indústrias. Há também a JBS Natural Casings, maior produtora mundial de envoltórios de origem animal de alta qualidade para todo o segmento de embutidos, como salames, salsichas, linguiças, entre outros. E, por fim, há a Campo Forte, que utiliza os resíduos orgânicos gerados pela própria JBS para a produção de diferentes tipos de fertilizantes.

Quais são os principais desafios em transformar a economia circular em estratégia de negócio?
Os desafios são inúmeros, mas entendemos que não temos alternativa. A economia circular é vista como uma estratégia de negócios, que, além de tudo, nos ajuda a cumprir o compromisso Net Zero, objetivo da JBS de zerar o balanço líquido de emissões de gases de efeito estufa até 2040. É fundamental para o cumprimento desse nosso empenho global. O atual processo produtivo e o modo de vida da humanidade estão extraindo mais recursos do planeta do que ele é capaz de gerar. Ou seja, a economia circular é fundamental para integrar o conjunto de ações e, com isso, ressignificar a gelatina e peptídeos de colágeno através do controle desde a origem.



Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.
Compartilhe esse artigo
Deixe um comentário